O problema do plástico nos oceanos e como o reduzir

O problema do plástico nos oceanos e como o reduzir

Sabes a quantidade de plástico que todos os anos vai parar ao oceano?

Pois bem, são 8 mil toneladas

Exatamente, 8 mil

Nem se consegue visualizar bem, certo? São mais de 150 milhões de toneladas de plástico presentes nos oceanos! Pois bem, como é que deixamos algo tão grave e tão visível transformar-se no problema que é hoje? Onde é que se encontram estes oceanos de plástico e quais os seus principais constituintes?

Constituintes e como se formam os oceanos de plástico

As ilhas são formadas maioritariamente por microplásticos que provêm do território terrestre e da atividade pesqueira. Estes resíduos ficam presos nos redemoinhos formados pela convergência de correntes frias e quentes, agrupando cada vez mais objetos, fazendo crescer a ilha.

Apesar da China, Indonésia, Filipinas, Vietname e Sri Lanka serem os países que mais contribuem para este fenómeno, nós portugueses temos também influência e poder para impedir o agravamento da situação dando o nosso contributo e exemplo. Mais à frente iremos dizer-te como.

Stay tuned!

Localização dos oceanos de plástico

Atualmente encontram-se descobertas 5 grandes ilhas de plástico, ilhas estas não habitáveis, porém com grande impacto no nosso ecossistema. Estas grandes manchas no “nosso” oceano situam-se no atlântico norte, atlântico sul, oceano Índico, pacífico sul e pacífico norte.

 

Esta última (pacífico norte) é a maior ilha, atingindo 1 600 000 km2 de superfície. Sendo que Portugal ocupa 92 212 km2 esta mancha de plástico tem 17 vezes o tamanho de Portugal. Estima-se que tenha 1,8 trilhões de peças plásticas, cerca de 800.000 toneladas.

Em tom de curiosidade, foi o oceanógrafo Charles J. Moore de origem norte-americana que descobriu, em 1997, este grande depósito de lixo, ao voltar no seu veleiro de uma famosa regata. Esta descoberta foi um grande alerta para toda a comunidade científica.

Não é triste a sociedade deixar a situação ser “afundada” por estes números assombrosos?

Os problemas e consequências

Parte dos microplásticos encontram-se em profundidade, a exemplo disso temos o abismo Challenger, também conhecido por Challenger Deep, o ponto mais profundo do oceano (aproximadamente 11 000 metros de profundidade) localizado na Fossa das Marianas, onde foram encontrados vestígios de plástico no decorrer de uma expedição à mesma.

O lixo nos oceanos leva à destruição de bastantes ecossistemas marinhos, pois os animais ao ficarem presos em peças, maiores como redes de pesca e grandes embalagens, ficam feridos e podem (os mais azarados) chegar mesmo a morrer.

Por outro lado, a ingestão de partículas mais pequenas pode levar também a alguns problemas, nomeadamente ao desenvolvimento de doenças nos seus organismos devido aos químicos tóxicos.

Uma vez que nós, seres humanos, somos grandes consumidores da fauna marinha, quando estes animais entram na nossa cadeia alimentar trazem por arrasto os microplásticos ingeridos. No entanto, as consequências para a nossa saúde, ainda são um enigma para a comunidade científica, e nada comparáveis aos efeitos que têm nos animais.

Cada vez mais praias que, em épocas passadas eram usadas para lazer, estão inundadas de resíduos plásticos que chegam à costa através das marés que provocam um grande impacto ambiental e visual, têm também um grande impacto económico, uma vez que a limpeza das costas e praias acaba por ser um serviço dispendioso. Os setores que dependem do mar e da pesca acabam igualmente por sofrer consequências negativas.

O que precisa de ser feito

Se há previsão para abrandamento? Não, pelo contrário!

Prevê-se que a quantidade de plástico no mar venha a aumentar, aumentando obviamente as suas consequências nefastas para todos.

Mas tu podes ajudar a abrandar esse aumento. Como? Vamos dar-te algumas dicas!

1 - Não saias de casa sem o teu saco de pano, tecido ou fibra reutilizável, e não só para o supermercado, que já é uma prática regular, mas também para a mercearia, farmácia, compras de roupa, etc.

2 - Opta por usar uma garrafa reutilizável, evitando estar sempre a comprar e colocar no lixo garrafas de plástico. Para além de poupar o ambiente poupas a carteira!

3 - Podes também decidir por comprar comida a granel como por exemplo, frutos secos. Vantagens? Defines tu a quantidade que queres comprar e evitas as embalagens de plástico.

4 - Podes sempre substituir recipientes de plástico por vidro ou metal, uma vantagem é que a forma dos mesmos não se danifica tanto com mudanças de temperatura, durando muito mais tempo.

5 - Outras ajudas que podes dar é reutilizar o máximo que conseguires e o que não conseguires reciclar. Além disso, podes participar em ações de limpeza das praias

Queremos melhorias? Então temos (todos) de mudar!

 

Autor: Ana Miguel

Revisto por: André Castro

Sobre o Autor:

Ana Miguel, 20 anos, estudante de Engenharia.

Faço parte da Forall Family como Shaper desde fevereiro de 2020. Assim que comecei a minha jornada na Comunidade, quis sempre criar mais impacto! Em janeiro de 2021 ingressei no projeto do blog da Forall Phones e em Março de 2021 tornei-me Team Leader. Gosto de desporto como Basket e Yoga, e estou sempre em busca de novos desafios!

Artigo anterior Quais as 3 Cidades Mais Sustentáveis do Mundo?
Próximo artigo Porque não te deves candidatar à Forall Family

Comentários

Jeronimo Saleiro - março 22, 2021

Infelizmente vivemos nesta realidade

Deixe o seu comentário

Os comentários têm de ser aprovados antes de serem publicados

* Campos obrigatórios