Máscaras que protegem ou que destroem?

Máscaras que protegem ou que destroem?

A fase que o mundo atravessa mudou a nossa vida. O dever de ficar em casa e o receio pelo futuro alterou as nossas rotinas, hábitos de consumo e forma como nos relacionamos.

Hoje, numa altura em que grande parte do mundo começa, aos poucos, a desconfinar, as autoridades de saúde apelam ao uso em massa de instrumentos de proteção individual, principalmente as máscaras, pela maior probabilidade de manter as pessoas seguras e bastante mais perto de regressarem à sua vida normal.

As máscaras passaram a ser uma peça de “vestuário” fundamental.

Contudo, velhos problemas continuam: Associado ao uso massivo destes mesmos instrumentos, que podem salvar vidas, salvar rotinas e travar uma pandemia, vem agregada uma nova forma de desperdício e de lixo não reciclado devidamente.

Se o desrespeito já existia, tal como a desvalorização por questões ambientais, desconsiderando um ato tão simples e fundamental como separação de resíduos e reciclagem, esta nova vaga de poluição torna-se igualmente preocupante.

Deparamo-nos frequentemente com máscaras e luvas espalhadas pelas ruas, nos carrinhos de compras e em praias, um ato profundamente reprovável e com um impacto muito negativo na higiene dos espaços públicos e nos ecossistemas. Segundo a WWF, este já é um problema muito grave em diversos mares, nomeadamente o nosso “vizinho” Mediterrâneo.

As máscaras descartáveis devem ser deitadas para o lixo doméstico, recomendação que a DGS reforça em todos os seus canais de comunicação. As máscaras reutilizáveis e laváveis poderão sempre ter tecidos importantes à confeção de roupa em segunda mãoMesmo durante uma pandemia, não nos podemos esquecer da poluição dos mares, rios e ruas, causada pelas toneladas de objetos de decomposição difícil e longa. 

O que também não nos devemos esquecer é que muitos bens têm direito a uma nova vida. A Forall Phones faz a sua parte: Adquirimos produtos de elevada qualidade e com pouco uso, damos-lhes novas vidas e satisfazemos os nossos clientes com um serviço premium a preços baratos, tornando a tecnologia de topo acessível a todos. 

Com base no nosso exemplo, que apenas abrange uma migalha de todo o lixo produzido no mundo, pode-se facilmente replicá-lo em vários setores de atividade, e, por isso, aconselhamos ativamente a que todas as pessoas e empresas adquiram, ao máximo, bens com vários usos e finalidades.

Ou seja, minimizando práticas de “usa e deita fora” ou a compra de bens de uso único. Todos nós temos a oportunidade e a obrigação de diminuir a pegada ecológica e melhorar a qualidade de vida.

À luz de uma só pessoa, reciclar pode parecer algo insignificante, mas se dezenas, centenas, milhares ou milhões de pessoas mudarem o mindset, quem sabe qual será o impacto? Positivo será, certamente…

 

Autor: Manuel Cruz

Revisto por: Mafalda Amarelo

Sobre o Autor:

Manuel Cruz, 21 anos, estudante de Economia.

"Faço parte da Forall Family, como Shaper, desde maio de 2019 e sempre estive muito interessado nesta comunidade e nesta empresa. De momento, estou envolvido em diversos projetos da Forall Family, nomeadamente no nosso blog, focando os artigos de opinião em sustentabilidade. Adoro escrever e ler!"

Artigo anterior Como ter uma postura correta em teletrabalho?
Próximo artigo Estudantes, e o regresso às aulas?

Deixe o seu comentário

* Campos obrigatórios